Make your own free website on Tripod.com

Anatomia

 

    A anatomia é o estudo da forma e da constituição do corpo, pré-requisito indispensável para o estudo da fisiologia dos órgãos. Seu estudo compreende tanto a evolução do indivíduo desde a fase de zigoto até a velhice (ontogenia), como o desenvolvimento de uma estrutura no reino animal (filogenia).
          A unidade fundamental do corpo é a célula. A união de diversas células de mesma função dá origem aos tecidos. A união de diversos tecidos origina os órgãos, que por sua vez originam os sistemas.

 

                                                                         TECIDO                  FUNÇÃO

                                          epitelial      

revestimento

                                     conjuntivo

preenchimento

                                      muscular

movimentação

                                       nervoso

integração

 

          A anatomia macroscópica pode ser estudada de duas formas: (1) anatomia sistemática ou descritiva, que estuda os vários sistemas separadamente e (2) anatomia topográfica ou cirúrgica, que estuda todas as estruturas de uma região e suas relações entre si.

 

ORIGEM EMBRIOLÓGICA

          Quanto à origem, os órgãos podem ser classificados em homólogos ou análogos. Diz-se que dois órgãos são homólogos quando possuem a mesma origem embriológica mas diferentes funções, como, por exemplo, os membros superiores do homem e as asas dos pássaros. A analogia, por sua vez, acontece quando dois órgãos tem funções semelhantes e diferentes origens embriológicas, como ocorre com os pulmões humanos e as guelras dos peixes.

 

MÉTODOS DE ESTUDO

1. inspeção: analisando através da visão. A análise pode ser de órgãos externos (ectoscopia) ou internos (endoscopia);
2. palpação: analisando através do tato é possível verificar a pulsação, os tendões musculares e as saliências ósseas, dentre outras coisas;
3. percussão: através de batimentos digitais na superfície corporal podemos produzir sons audíveis, que ajudam a determinar a composição de órgãos ou estruturas (gases, líquidos ou sólidos);
4. ausculta: ouvindo determinados órgãos em funcionamento (Ex.: coração, pulmão, intestino);
5. mensuração: permite a avaliação da simetria corporal e de eventuais megalias;
6. dissecção: consiste na separação minuciosa dos diferentes órgãos para uma melhor visualização;
7. métodos de estudo por imagem: inclui o raioX, ecografia, ressonância nuclear magnética e tomografia computadorizada.

 

                                                                     DENOMINAÇÃO       SISTEMA ESTUDADO

estesiologia

sensorial

neuroanatomia

nervoso

esplancnologia

visceral

osteologia

ósseo

miologia

muscular

artrologia

articular

angiologia

vascular

 

TIPOS DE ASSIMETRIA

          Os órgãos pares pode ser assimétricos quanto à forma ou quanto à posição.

 

                                                              ASSIMETRIA           EXEMPLOS

forma

o pulmão direito possui 3 lobos;o esquerdo apenas 2

posição

o rim direito é mais baixo que o esquerdo

 

          Embriologicamente, os órgãos ímpares são ditos anormais quando possuem distúrbios de crescimento ou de deslocamento. Os distúrbios de deslocamento (distopias) podem ser melhor compreendidos visualizando os seguintes exemplos:

                                                                                  
                                                              A        B         C         D

*se um órgão, ao se deslocar de B para D, parar em C, temos uma transposição. Exemplo: criptorquidia (descida incompleta do testículo);
*se um órgão, ao se deslocar de B para D, for para A, temos uma inversão. Exemplo: situs inversus totalis.

 

VARIAÇÕES ANATÔMICAS NORMAIS

          Existem algumas circunstâncias que determinam variações anatômicas normais e que devem ser descritas:

1. idade: os testículos no feto estão situados na cavidade abdominal, migrando para a bolsa escrotal e nela se localizando durante a vida adulta;
2. sexo: no homem a gordura subcutânea se deposita principal-mente na região tricipital, enquanto na mulher o depósito se dá preferencialmente na região abdominal;
3. raça: nos brancos a medula espinhal termina entre a primeira e segunda vértebra lombar, enquanto que nos negros ela termina um pouco mais abaixo, entre a segunda e a terceira vértebra lombar;
4. tipo morfológico constitucional: é o principal fator das diferenças morfológicas. Os principais tipos são:
     4.a- longilíneo: indivíduo alto e esguio, com pescoço, tórax e membros longos. Nessas pessoas o estômago
             geralmente é mais alongado e as vísceras dispostas mais verticalmente;
     4.b- brevilíneo: indivíduo baixo com pescoço, tórax e membros curtos. Aqui as vísceras costumam estar
            dispostas mais horizontalmente;
     4.c- mediolíneo: características intermediárias.

          A identificação do tipo morfológico é importante devido às diferentes técnicas de abordagem semiológica, avaliação das variações da normalidade e até mesmo maior incidência de doenças, como por exemplo a hipertensão, que é sabidamente mais comum em brevilíneos.

 

PLANOS ANATÔMICOS

          O corpo humano é dividido por três eixos imaginários:

1. o eixo vertical ou longitudinal, que une a cabeça aos pés, classificado como heteropolar;
2. o eixo de profundidade ou ântero-posterior, que une o ventre ao dorso, classificado como heteropolar;
3. o eixo de largura ou transversal, que une o lado direito ao lado esquerdo, classificado como homopolar.

          No momento em que projetamos um eixo sobre outro temos um plano. Existem quatro planos principais:

1. o plano sagital, formado pelo deslocamento do eixo ântero-posterior ao longo do eixo longitudinal;
2. o plano sagital mediano, formado pelo deslocamento do eixo ântero-posterior ao longo do eixo longitudinal na linha mediana, dividindo o corpo em duas metades aparentemente simétricas, denominadas antímeros;
3. o plano transversal ou horizontal, formado pelo deslocamento do eixo de largura ao longo do eixo ântero-posterior. Uma série sucessiva de planos transversais divide o corpo em segmentos denominados metâmeros;
4. o plano frontal ou coronal, formado pelo deslocamento do eixo de largura ao longo do eixo longitudinal, dividindo o corpo em porções chamadas de paquímeros.

 

TERMOS DE RELAÇÃO ANATÔMICA

Inferior ou caudal: mais próximo dos pés;
Superior ou cranial: mais próximo da cabeça;
Anterior ou ventral: mais próximo do ventre;
Posterior ou dorsal: mais próximo do dorso;
Proximal: mais próximo do ponto de origem;
Distal: mais afastado do ponto de origem;
Medial: mais próximo do plano sagital mediano;
Lateral: mais afastado do plano sagital mediano;
Superficial: mais próximo da pele;
Profundo: mais afastado da pele;
Homolateral ou ipsilateral: do mesmo lado do corpo;
Contra-lateral: do lado oposto do corpo;

Holotopia: localização geral de um órgão no organismo. Ex.: o fígado está localizado no abdômen;
Sintopia: relação de vizinhança. Ex.: o estômago está abaixo do diafragma, a direita do baço e a esquerda do fígado;
Esqueletopia: relação com esqueleto. Ex.: coração atrás do esterno e da terceira, quarta e quinta costelas;
Idiotopia: relação entre as partes de um mesmo órgão. Ex.: ventrículo esquerdo adiante e abaixo do átrio esquerdo.