Make your own free website on Tripod.com

Sulcos e Giros dos Lobos Parietal, Occipital e Temporal

 

Antes de descrevermos os sulcos e giros dos lobos acima referidos, definiremos a divisão em lobos do cérebro e seus principais sulcos.

Em cada hemisfério cerebral, os dois sulcos mais importantes são o sulco lateral (de Sylvius) e o sulco central (de Rolando).

 

A) Sulco Lateral

Inicia-se na base do cérebro lateralmente à substância perfurada anterior, como uma fenda profunda que, separando o lobo frontal do lobo temporal, dirige-se para a face súpero-lateral do cérebro, onde termina dividindo-se em três ramos: ascendente, anterior e posterior. Os ramos ascendente e anterior são curtos e penetram no lobo frontal; o ramo posterior é muito mais largo, dirige-se para trás e para cima, terminando no lobo parietal. Separa o lobo temporal, situado abaixo, dos lobos frontal e parietal, situados acima.Sos

 

B) Sulco Central

É um sulco profundo e geralmente contínuo, que percorre obliquamente a face súpero-lateral do hemisfério, separando os lobos frontal e parietal. Inicia-se na face medial do hemisfério, aproximadamente no meio de sua borda dorsal e a partir deste ponto dirige-se para diante e para baixo, em direção ao ramo posterior do sulco lateral, do qual é separado por uma pequena prega cortical.

 

1 - Lobo Temporal

Na face súpero-lateral do cérebro apresenta dois sulcos principais:

  1. sulco temporal superior: inicia-se próximo ao pólo temporal e dirige-se para trás, paralelamente ao ramo posterior do sulco lateral, terminando no lobo parietal.
  2. sulco temporal inferior: paralelo ao sulco temporal superior, é geralmente formado por duas ou mais partes descontínuas.

Entre os sulcos lateral e temporal superior está o giro temporal superior; entre os sulcos temporal superior e temporal inferior situa-se o giro temporal médio; abaixo do sulco temporal inferior localiza-se o giro temporal inferior.

Na face inferior apresenta três sulcos principais:

  1. sulco occípito-temporal: limita com o sulco temporal inferior o giro temporal inferior; medialmente limita com o sulco colateral o giro occípito-temporal lateral (ou giro fusiforme).
  2. sulco colateral: inicia-se próximo ao pólo occipital e se dirige para frente, delimitando com o sulco calcarino e o sulco do hipocampo, respectivamente, o giro occípito-temporal medial e o giro para-hipocampal, cuja porção anterior se curva em torno do sulco do hipocampo para formar o úncus. O sulco colateral pode ser contínuo com o sulco rinal, que separa a parte mais anterior do giro para-hipocampal do resto do lobo temporal.
  3. sulco do hipocampo: origina-se na região do esplênio do corpo caloso, onde continua com o sulco do corpo caloso e se dirige para o pólo temporal, onde termina separando o giro para-hipocampal do úncus.

Obs: o giro para-hipocampal se liga posteriormente ao giro do cíngulo através de um giro estreito, o istmo do giro do cíngulo.

 

2 - Lobo Parietal

Na face súpero-lateral do cérebro apresenta dois sulcos principais:

  1. sulco pós-central: quase paralelo ao sulco central, é freqüentemente dividido em dois segmentos, que podem estar mais ou menos distantes um do outro.
  2. sulco intraparietal: muito variável e geralmente perpendicular ao pós-central, com o qual pode estar unido, estende-se para trás para terminar no lobo occipital.

Entre os sulcos central e pós-central fica o giro pós-central, onde se localiza uma das mais importantes áreas sensitivas do córtex, a área somestésica. O sulco intraparietal separa o lóbulo parietal superior do lóbulo parietal inferior. Neste último descrevem-se dois giros: o giro supramarginal, curvado em torno da extremidade do ramo posterior do sulco lateral, e o giro angular, curvado em torno da porção terminal e ascendente do sulco temporal inferior.

Na face medial existem dois sulcos que passam do lobo frontal para o parietal:

  1. sulco do corpo caloso: começa abaixo do rostro do corpo caloso, contorna o tronco e o esplênio do corpo caloso, onde continua, já no lobo temporal, com o sulco do hipocampo.
  2. sulco do cíngulo: tem curso paralelo ao sulco do corpo caloso, do qual é separado pelo giro do cíngulo. Termina posteriormente dividindo-se em dois ramos: o ramo marginal, que se curva em direção à margem superior do hemisfério, e o sulco subparietal, que continua posteriormente.

Destacando-se do sulco do cíngulo em direção à margem superior do hemisfério, existe quase sempre o sulco paracentral, que delimita com o sulco do cíngulo e seu ramo marginal, o lóbulo paracentral, assim denominado em razão de suas relações com o sulco central, cuja extremidade superior termina aproximadamente no seu meio.

Acima do corpo caloso temos o giro do cíngulo; mais acima temos, de trás para diante, o pré-cuneus, o lóbulo paracentral e a face medial do giro frontal superior.

 

3- Lobo Occipital

Na face súpero-lateral do cérebro o lobo occipital ocupa uma porção relativamente pequena, onde apresenta pequenos sulcos e giros inconstantes e irregulares. Um importante desses inconstantes e variáveis sulcos é um sulco em meia-lua, o sulco lunatus.

Na face medial apresenta dois sulcos importantes:

  1. sulco calcarino: inicia-se abaixo do esplênio do corpo caloso e tem um trajeto arqueado em direção ao pólo occipital.
  2. sulco parieto-occipital: muito profundo, separa o lobo occipital do parietal e encontra em ângulo agudo o sulco calcarino.

Entre o sulco parieto-occipital e o sulco calcarino, situa-se o cúneus, giro complexo, de forma triangular. Adiante do cúneus, por conseguinte já no lobo parietal temos o pré-cuneus. Abaixo do sulco calcarino situa-se o giro occípito-temporal medial, que continua anteriormente com o giro para-hipocampal, já no lobo temporal.