Make your own free website on Tripod.com

CIENTISTAS AFIRMAM QUE PRIMEIRO CASO

DE AIDS SURGIU EM 1959

 

                                  A mais antiga infecção com o vírus da Aids registrada no mundo data de 1959 e diz respeito a um africano banto de Leopolville, informou um estudo norte-americano publicado pela revista britânica Nature. Segundo o professor David Ho e seus colegas da universidade de Rockefeller de Nova York , a análise do exame sanguíneo não só certifica a infecção como a mais antiga conhecida até o momento , mas também traz esclarecimentos sobre a origem do vírus e sua evolução no homem.

                                   Segundo os autores, tais resultados indicam que os grupos maiores do vírus que dominam a epidemia mundial  de Aids compartilharam um ancestral comum nos anos 40 ou no começo dos 50.Os pesquisadores fizeram a árvore genealógica do vírus da família do HIV-1, responsável pela epidemia.

                                  Os vírus maiores desta família poderiam ter evolução a partir de uima única introdução na população africana, pouco tempo antes de 1959, informaram os cientistas depois da análise de fragmetos (ZR59) do vírus africano. " O HIV-1 foi provavelmente transmitido ao homem  antes desse período, aproximadamente 10 ou 20 anos antes das estimativas anteriores", continua o estudo."Os vírus maiores da epidemia estavam claramente presentes no homem antes de 1960".

                                 "O big bang , correspondente ao período no qual apareceru o vírus causador da epidemia, data, provavelmente , da 2º guerra mundial ou pouco antes", disse  à AFP Simom Waian Hobson , do institudo Pasteur de Paris.

                                "Este trabalho de pesquisa confirma algo que já temíamos: na árvore genealógica do vírus HIV-1, em forma de estrela, o RZ59 está situado próximo ao centro , a alguns anos deste ponto de partida causador da epidemia atual", continuou Hobson.

                                "Os dois vírus da Aids (HIV 1 e 2 ) surgiram na África , onde sua propagação antecedeu o desenvolvimento da doença no mundo inteiro", escreveu o estudioso em um comentário publicado na revista Nature. "Como normalmente acontece entre os micróbios , o mais perigoso foi a transmissão de uma espécie para outra, neste caso do macaco para o homem" . Segundo o cientista, tudo isso não impede que o vírus da Aids , assim como qualquer vírus, tenha circulado anteriormete no homem, sem gerar, aparentemente, uma verdadeira epidemia.

                                "Os fatores que propulsionaram o vírus na África continuam sendo desconhecidos", observaram os norte-americanos, que estimam sobretudo que o papel das grandes campanhas de vacinação , talvez com reutilizações de seringas não-esterilizadas, deve ser cuidadosamente examinado, ainda quando outros fatores, como relações sexuais, parecem ser mais significantes.

                                Segundo Simon Wain Hobson, "a emergência das infecções microbianas é consequência , muitas vezes, de uma mudança dos nichos exológicos e dos costumes, como foi o caso da Aids, aparentemente , no período do pós-guerra".