Make your own free website on Tripod.com

Morfologia de Edemas

 

Morfologia de Edemas

O líquido do edema pode se acumular no interstício ou pode se acumular em cavidades pré-formadas do organismo. Há denominações próprias para esses edemas . Por exemplo : * Edema no saco pericárdico : hidropericárdio * Acúmulo de líquido no espaço pleural : hidrotórax * Acúmulo de líquido na cavidade peritoneal : ascite ou hidroperitôneo Esses acúmulos de líquido às vezes são volumosos e podem interferir funcionalmente. Uma ascite muito volumosa eleva o diafragma e causa problemas respiratórios . O acúmulo de líquido na cavidade pleural vai fazer com que haja atelectasia - compressão do parênquima pulmonar . A área onde se surpreende um edema subcutâneo é uma área tumefeita , é uma área inchada . Esse aumento de volume distende a pele e ocorre o mesmo nos órgãos . A cápsula dos ór- gãos se distende pelo acúmulo de líquidos e como o líquido se acumula no interstício , há compressão dos capilares e o órgão fica pálido . Características do órgão : _ Volume aumentado _ Cápsula tumefeita _ Palidez

***virou a fita*** Microscopia : O líquido edemático tem algum teor protéico , mesmo quando não envolve alteração da permeabilidade . Esse teor protéico vai corar nas preparações . No edema , há um afasta- mento das células e o tecido fica com aspecto frouxo e pode ter um precipitado róseo entre as células . EDEMA PULMONAR O edema pulmonar precisa ser corrigido rapidamente por que põe em risco a vida do paciente . Essa patologia costuma estar mais concentrada nos lobos inferiores ,mas no edema avan- çado todos os lobos podem ser comprometidos e adquirir uma con- sistência gelatinosa de borracha . Na maioria das vezes , o edema pulmonar está relaciona- do com a pressão hidrostática , com insuficiência cardíaca , em- bora tenha muitas outras situações que causem o edema , como nos processos inflamatórios ou gases tóxicos . Mas a principal cau- sa é a pressão hidrostática . Observando os alvéolos ,a princípio veremos capilares dila- tados , cheios de hemácias ( como vimos na hiperemia ). Esse aumento da pressão hidrostática vai fazer com que o líquido "caia" nos alvéolos . No pulmão há interstício muito escas- so e vascularização muito abundante .Na fase inicial , o líquido se acumula no interstício , mas logo escapa para os alvéolos . Quando isso ocorre ,os alvéolos ficam cheios de líquido e há o quadro agudo de insuficiência respiratória ( sensação de afoga- mento ) .Nessa fase o pulmão é característico ,do ponto de vista microscópico : _ Pulmão aumentado _ Diminuição da creptação ( quando se palpa , não dá para sentir bem o deslocamento do ar ) _ Na secção do pulmão , há drenagem de líquido espumoso róseo - líquido do alvéolo misturado com ar e sangue .Há um quadro agudo e característico de insuficiência , dispnéia . EDEMA CEREBRAL O edema cerebral pode ser uma lesão focal ou generali-zada e envolver todo o cérebro como na encefalite , nas crises hipertensivas e nas obstruções do fluxo venoso cerebral eferente . A substância branca pode ter um aspecto mole e gelatino- so e a camada periférica da substância cinzenta apresenta-se alargada . Qualquer patologia acompanhada de edema cerebral é grave , como por exemplo no traumatismo que faz lesão de edema generalizado . Tem que ser revertido porque o líquido causa hiper- tensão e há compressão do parênquima cerebral . Essa compressão é feita de encontro à caixa craniana . Do ponto de vista macros- cópico , há um achatamento das circunvoluções , por que há pres- são sobre o plano ósseo . Além disso , o aumento da massa pode gerar herniação de estruturas como as amígdalas cerebelares para o forame magno . Pode ainda causar tensões de cisalha- mento sobre a irrigação sanguínea do tronco cerebral . Ambas as afecções geram compressões secundárias dos centros bulbares , que podem levar a óbito . EDEMA DE GLOTE Geralmente está relacionado a pacientes com hipersensibi- lidade . Essa tumefação pode fechar as vias respiratórias e haver óbito por insuficiência respiratória .

Qualidade do líquido edemático

1) EXSUDATO - edema inflamatório 2) TRANSUDATO - edema não - inflamatório No exsudato , o líquido do edema é rico em proteínas de alto peso molecular . Portanto , só pode haver exsudato se houver aumento da permeabilidade capilar , como nos processos inflama- tórios . O transudato é pobre em proteínas de alto peso molecular e ocorre pelo aumento da pressão hidrostática .