Make your own free website on Tripod.com

Patologia da Trompa

I - Considerações Gerais è Anatomia e Histologia. Função.

II - Freqüência da Doenças Tubáreas

1) De natureza inflamatória : Salpingintes
2) Sede mais frequente de gravidez fora do útero = Gravidez ectópica
3) Focos de endometriose
4) Neoplasias tubáreas

III - SALPINGITES

1) SALPINGITES AGUDAS : vias de acesso ; agentes causais

a) Salpingite Gonocócica : endossalpingite destrutiva. Oclusão parcial ou total è consequência = Piossalpinx

b) Salpingite Purulenta : associada ao pós-parto ou pós-aborto infectados. Forma-se infiltrado inflamatório em toda a parede è consequência è celulite, flebite, linfadenite, parametrite e abcessos.

2) SALPINGITES CRÔNICAS : 4 formas de apresentação

a) Piossalpinx è é sequela da salpingite gonocócica.
Base : bloqueio da luz tubárea ( frímbria - istmo ) . Consequência : distensão tubárea - exsudato retido + aderência com estruturas vizinhas ( perissalpingite ).

b) Hidrossalpinx è parece evoluir de uma piossalpinx - reabsorção do exsudato purulento, persistindo exsudato fluido. Pode ser uma única dilatação cística ou de aspecto pseudo - folicular. Consequência è aderir-se ao ovário; sofrer torção è retirada cirúrgica.

c) Salpingite crônica intersticial - é trompas = distendidas e com paredes espessadas ; inversão das fímbrias - baqueteamento = aspecto bulboso.

d) Salpingite Ístmica nodosa è pode resultar da f. anterior - ( S.C.I.) - características : vários nódulos na porção ístmica - 1 a 2 cm de diâmetro ( diferencial com a neoplasia ) .

3) SALPINGITES GRANULOMATOSAS

a) Salpingite tuberculósica ( 1% a 10 % das salpingites ). História natural e evolução. Trompa x Tb x Fertilidade.

b) Outros agentes : S. mansoni, S. haematobium, Actinomyces israeli, Enterobius vermicularis, Sarcoidose, corpo estranho ( trompas lequeadas)

Importância da salpingites : D.I.P. ; prenhez ectópica; esterelidade/infertilidade.

IV- NEOPLASIAS . raras

1) Papilomas, pólipos, leiomiomas, hemangiomas, lipomas, tumores neurais e etc.

2) MALIGNOS : História natural (conexão).

a) Carcinoma in situ - associoado à salpingite crônica

b) Carcinoma invasivo - 1% dos tumores malignos femininos. Sinaise sintomas devem ser diferenciados do câncer do endométrio.


I - Considerações gerais : aspectos normais da musculatura uterina
II - Considerações patológicas : Adenomiose - Leiomiomas

III - Leiomiomas ( miomas, fibromas )

Ä Frequência : tumores viscerais mais comuns na mulher
Ä Clínica : depende do número, tamanho e localização
Ä Características morfológicas
Ä Localização :
Corpo ou colo
Quanto a localização na parede uterina :
a) submucoso
b) intersticial ou mural
c) subseroso

Ä Sinais e sintomas : a maioria é assintomática
1. Tumor palpável "caroço no baixo ventre"
2. Hemorragia - menstruação excessiva ou prolongada
(menorragia/hipermenorréia )
Sangramento intermenstrual
3. Dor / Sensação de peso no baixo ventre
à Dismenorréia
à Transtornos circulatórios à degenerações
à Torção em relação a M. subserosos
àCompressão exercida sobre troncos nervosos (volumosos)

4. Efeitos da pressão :
Sobre a Bexiga : é micções + disúria;
Sobre o Ureter : hidronefrose
Sobre o Reto : obstipação , dor, tenesmo

5. Sinais e Sintomas secundários
- Anemia
- Astenia
- Infertilidade/ Interferências no ciclo gravídico

Morfologia ( Macro e Micro )

Ä Tranformações degenerativas:

1. Deg. Hialina ( é a mais comum )
2. Deg. Cística
3. Calcificação (ocorre principalmente após a menopausa)
4. Infecções Secundárias
5. Deg. Vermelha ( = gravidez )
6. Deg. Gordurosa
7. Deg. Sarcomatosa - em torno de 0,7% dos miomas

IV - Leiomiossarcoma

Ä Características : volumosos e carnosos e crescem em todas as direções.
Ä Faixa etária : 50 - 60 anos
Ä Metástases : pulmões, ossos e cérebro + disseminação na cavidade abdominal
Ä Sobrevida em 5 anos : < 40%